22 de abril de 2019

Saúde

Minas já tem um a cada 4 casos de dengue no país

Betim, na Grande BH, é a cidade que concentra a maioria das mortes por causa do vírus
Divulgação/ilustração
Divulgação/ilustração
Com o maior número de casos prováveis de dengue nos últimos três anos em Minas, 2019 coloca autoridades de saúde em alerta diante da quantidade de doentes e da pulverização deles pelo Estado. São pelo menos 121.699 registros em 548 cidades. Na ponta do lápis, está em território mineiro uma em cada quatro pessoas no país que sucumbiram ao Aedes aegypti. Quadro que tende a se agravar hoje, quando sai o novo balanço da doença.

Desde 1º de janeiro, foram 14 óbitos. Betim, na Grande BH, é a cidade que concentra a maioria das mortes por causa do vírus: seis. Mais de sete mil diagnósticos foram confirmados por lá.

Para tentar amenizar a superlotação das unidades de saúde em virtude da dengue, a Prefeitura de Betim criou um comitê de enfrentamento à doença. O grupo determinou a abertura de dois serviços de hidratação venosa em hospitais e Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs) da cidade. Cinco médicos foram contratados.

Situação semelhante ocorre em Uberlândia, no Triângulo Mineiro. O município registrou dois óbitos por dengue e mais de 2 mil casos prováveis da enfermidade. Procurado, o Executivo municipal não informou quais ações estão sendo adotadas para atender à população.
Em Ibirité, na Grande BH, uma pessoa também morreu em decorrência da doença. Por lá, são 2.100 notificações. A prefeitura informou que reforçou o atendimento nos centros de saúde e intensificou a aplicação de inseticida por meio do fumacê, em áreas críticas da cidade.

Dificuldades

Ex-diretor da Sociedade Mineira de Infectologia (SMI), Antônio Carlos de Castro explica que localidades do interior tendem a ter mais dificuldade no atendimento aos pacientes pela incapacidade de estrutura e recursos.

Para ele, o Estado não se preparou de maneira correta para enfrentar a epidemia neste ano. “A tendência é a de que daqui três semanas o número de casos diminua. Então há uma necessidade de recursos financeiros e humanos muito grande para um curto período. Infelizmente nossos processos são burocráticos, e quando estes recursos chegarem, provavelmente a situação de crise terá passado”, avalia.

Questionada, a Secretaria de Estado e Saúde (SES) informou ter destinado R$ 4,1 milhões para 93 municípios que estão com alta incidência de dengue. A pasta informou ainda que um decreto de emergência está sendo elaborado. Apesar de não ter data para ser publicado, o documento, garante o órgão, vai facilitar e viabilizar ações e procedimentos de assistência à saúde das pessoas doentes por conta do Aedes aegypti nas cidades mais afetadas.


Fonte: Hoje em Dia